NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Autarquia vai ser a primeira do país com recolha de resíduos em todo o concelho para produção de energia.

Transformar restos de comida em energia é já uma realidade em algumas zonas do concelho e tem sido um dos investimentos no topo da agenda da Câmara de Cascais. O objetivo da autarquia é alargar a iniciativa que arrancou em 2020 a todo o concelho, tornando-se o primeiro do país a ter todo o território coberto pela recolha seletiva de resíduos orgânicos. Para tal, esta sexta-feira vai anunciar a expansão do projeto "Separe Mais & Transforme Melhor", que tem despertado a atenção de outros municípios em Portugal, mas também tem gerado interesse além-fronteiras.

 

Esta iniciativa, que representa um investimento da parte do município de cerca de 700 mil euros até 2027, consiste na distribuição pela população de sacos próprios para reservar os restos de comida. Quando estes recipientes estiverem cheios serão depositados em contentores próprios também distribuídos pela Câmara e depois recolhidos pela Tratolixo para posteriormente serem transformados em energia e compostos para solos.

 

Atualmente, o projeto-piloto conta com a participação de cinco mil famílias. A expansão aos 200 mil habitantes será progressiva, devendo cobrir 100% do território durante o ano de 2023. A partir desta data, estimam "uma recolha de mais de 30 mil toneladas de biorresíduos por ano, através deste sistema, que se traduz em quase 9 GW de energia por ano", adiantou ao DN/Dinheiro Vivo a vereadora da Câmara Municipal de Cascais Joana Balsemão. A responsável revelou ainda que, no âmbito deste investimento para aumentar a qualidade da separação de resíduos, "Cascais está também a fazer testes com sacos biocompostáveis e testes de recuperação do plástico dos sacos já utilizados para incorporação na produção de novos sacos, por forma a fechar o ciclo, sempre com a preocupação da responsabilidade ambiental em toda a cadeia".

 

A solução que está a ser testada em Cascais em breve pode ser implementada não só noutras zonas do país, mas além-fronteiras. "A iniciativa tem despertado interesse em território nacional e internacional", confessou Joana Balsemão, relembrando que os outros três municípios que integram a Tratolixo (Mafra, Oeiras e Sintra) são já aderentes. A vereadora detalhou ainda que têm recebido "várias delegações de municípios portugueses e de vários outros países, para explicarmos e exemplificarmos o sistema adotado em Cascais", acrescentou sem identificar quais. No entanto, sublinhou que a expansão deste sistema para o resto do país precisa de "apoio político", mas também "de apoio técnico como suporte à decisão política". Um repto que deverá ser lançado esta sexta-feira a João Galamba, secretário de Estado do Ambiente e da Energia, que marcará presença na apresentação oficial da expansão do projeto, ao lado do presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras.

 

Outro dos alertas deixados pela vereadora prende-se com a importância de serem criadas linhas de financiamento que não estejam apenas focadas na aquisição de bens. "Pela sua importância para a concretização dos projetos e metas, as linhas de financiamento devem contemplar também a manutenção e operação, a contratação de recursos humanos que operacionalizem os projetos e a sensibilização", explicou, acrescentando que o alargamento deste modelo a todo o concelho de Cascais só será possível através do financiamento do programa POSEUR" - fundo que visa apoiar a transição para uma economia com baixas emissões de carbono.


Quanto ao retorno do investimento, Joana Balsemão disse acreditar que o município pode vir a recuperar quase 90% "por via do tratamento em alta e da Taxa de Gestão de resíduos (TGR) paga à Agência Portuguesa do Ambiente".

Partilhar