NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Um estudo da Comissão Europeia, que analisa o setor de distribuição hoteleira entre 2017 e 2021, indica que a Booking.com é “de longe” a agência online com maior quota de mercado, com 67,7%, seguindo-se a Expedia.

O relatório, que avalia o setor da distribuição hoteleira europeia entre 2017 e 2021 em seis Estados-membros: Espanha, Áustria, Bélgica, Chipre, Polónia e Suécia, conclui que não se registou “nenhuma alteração significativa na situação competitiva do setor” face a 2016.

 

Da mesma forma, destaca que as OTA correspondem a 44% das vendas dos hotéis independentes, o que representa um “pequeno aumento” em relação à situação anterior ao período analisado.

 

A Booking.com e a Expedia continuam a dominar o setor e o relatório alerta que “não há sinais de grandes alterações nas quotas de mercado das agências de viagens online ou novas entradas de agências deste tipo”

 

Os principais players, Booking, Expedia e HRS, detêm 92% da quota de mercado, razão pela qual esta situação é muitas vezes descrita como um “duopólio” ou um “oligopólio”. Entre elas, a Booking.com é “de longe” a agência online com maior quota de mercado (67,7%), segundo o estudo.

 

No entanto, as comissões pagas pelos hotéis a estas agências “parecem ter-se mantido estáveis ​​ou diminuído ligeiramente”, enquanto os preços dos quartos e a diferenciação da disponibilidade destes, tanto pelos hotéis como pelas agências, “parecem ter diminuído “.

 

A Comissão Europeia está também a tentar apurar o impacto das leis que proíbem a utilização de cláusulas de paridade amplas e restritas, que impedem os hotéis de oferecer melhores condições em canais de venda que não o site da OTA com a qual têm contrato.

 

Bruxelas lembra que o setor da distribuição hoteleira tem sido alvo de várias “intervenções legislativas” e de defesa da concorrência nos últimos anos. Especificamente, várias autoridades nacionais da concorrência têm investigado desde 2010 a utilização de tais cláusulas de paridade em contratos entre agências de viagens e hotéis.

 

Entre 2015 e 2018, França, Áustria, Itália e Bélgica adotaram legislação nacional para proibir o uso de cláusulas de paridade pelas OTA. Da mesma forma, a Booking.com e a Expedia prometeram, em 2020, perante a Comissão Europeia não assinar esse tipo de acordo, pelo menos até junho de 2023.

Partilhar