NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Depois da pandemia, a feira de carreiras e emprego da escola de negócios de Carcavelos abre portas em formato presencial e com meia centena de organizações e empresas nacionais.

A escola de negócios da Universidade Nova de Lisboa abre esta terça-feira, 20 de setembro, as portas à Nova SBE Career Fair. O evento que retoma o formato presencial após a pandemia reúne cerca de 50 organizações, nacionais e internacionais, que dão a conhecer aos alunos as suas oportunidades de emprego.

 

As organizações internacionais representam nesta edição, 70% das organizações presentes, entre as quais Amazon (Espanha), ABInBev (Bélgica) e McKonsey (Alemanha).

 

Os visitantes podem também assistir a talks e participar em speed networking sessions de forma a conhecerem, de uma maneira mais pessoal e interativa, o típico percurso de carreira e dia-a-dia de trabalho de diferentes colaboradores em várias indústrias. “A conexão organizações-alunos ganha um protagonismo mais informal durante os cocktails de networking dando oportunidade aos alunos de potenciar junto dos representantes das organizações presentes as suas competências interpessoais”, destaca a organização.

 

A estimativa é de que o evento seja visitado por cerca de 3.000 alunos, na maioria estudantes internacionais de mestrado que recentemente chegaram à Nova SBE.

 

Defensora de que a forma como é preparado o talento, a nível mundial, está desenquadrada do século XXI – marcado pelo aquecimento global, digitalização acelerada, desigualdade e polarização social – a Nova SBE trilha uma nova etapa na ambição da escola, “assumindo a liderança de um movimento de transição mundial para um ensino mais interdisciplinar, humanista e inovador”.

 

A Nova SBE figura no TOP 15 das melhores escolas a nível mundial nos rankings do Financial Times, quer com o Mestrado em Finanças (11º.), quer com o Mestrado em Gestão (15º.). Dos resultados obtidos no ranking de Mestrados em Gestão, destaque para as pontuações obtidas nos indicadores ‘Career Progress’ (7º.), ‘International Work Mobility’ (8º.) e ‘Empregabilidade a 3 meses’ (96%).

Partilhar