NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A criação de emprego associada a projetos de investimento direto estrangeiro (IDE) irá triplicar face aos números registados em 2019, no período pré-pandemia, revela o estudo da consultora Ernst & Young (EY), relativos à conjuntura de 2021.

Portugal subiu dois lugares no ranking da capacidade de atrair investimento, estando em 8.º lugar dos países da Europa.

 

O inquérito aos investidores sobre a capacidade de Portugal atrair talento revela que o IDE realizado no país em 2021 “tem potencial para gerar cerca de 28 mil postos de trabalho”, valor que se revela três vezes maior do que o registado no relatório de 2020.

 

O número de novos empregos gerados por projetos de IDE em 2019, referentes ao relatório de 2020, foi de 12.549. De acordo com o estudo, este número foi afetado pelos efeitos da pandemia, sendo que “dos 158 (projetos) anunciados, aproximadamente 20% podem estar em risco de serem adiados, fortemente ajustados ou cancelados, reduzindo o volume de empregos”.

 

Em relação aos dados de 2020, registados no relatório de 2021, o número de empregos gerados por projetos de IDE foi 8947. Estes números são explicados pelo impacto da pandemia nas economias, que fez os investimentos abrandarem.

 

O cenário atual é mais favorável aos investimentos IDE, apesar da atual conjuntura, com a guerra e o aumento das taxas de juro.

 

O Plano de Recuperação e Resiliência, assim como os fundos europeus são impulsionadores do investimento de privados, nomeadamente, estrangeiros. O investimento em energias renováveis são os principais objetivos destas verbas.

 

De acordo com a EY, Portugal pode acolher “um número recorde de 200 projetos de IDE” este ano, subindo dois lugares no ranking de atratividade junto dos investidores estrangeiros. Atualmente, a economia portuguesa encontra-se na 8.ª posição, estando no top 10 das economias mais atrativas para IDE.

 

O estudo revela ainda que, “nos próximos meses, 62% dos investidores planeiam criar ou expandir operações em Portugal” e que o país “alcançou em 2021 uma fatia de 3,4% do total de projetos de IDE anunciados para a Europa, com 200 projetos, o que representa um aumento de 30% face aos 154 contabilizados no ano anterior”.

 

Os setores que mais atraem IDE são a economia digital, as energias limpas e renováveis, a construção e o imobiliário.

Já as principais empresas estrangeiras que investem em Portugal são da Alemanha (30 projetos), dos Estados Unidos da América (30 projetos) e de França (29 projetos).

 

Cerca de 60% dos investidores inquiridos no estudo revela que “acredita que a atratividade de Portugal irá melhorar no decurso dos próximos três anos”. De acordo com os investidores, Portugal é um bom país para investir devido à “estabilidade social, qualidade de vida e talento adaptado às necessidades dos investimentos”.

Partilhar