NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Mais de quatro centenas de patentes registadas em dez anos, uma força de trabalho altamente especializada, e infraestruturas de investigação de ponta fazem deste um país com condições para vingar no sector. Burocracia e investimento são desafios a superar e dão corpo ao tema no centro da discussão no Biomeet 2022, que arranca segunda-feira, 19 de setembro, em Oeiras

Pequeno em dimensão, mas rico em competências e especialização. Este é, cada vez em mais áreas, o retrato de Portugal na biotecnologia, área em que o país tem dado cartas através da produção de conhecimento e inovação. Quem o garante é Filipe Assoreira, chairman da associação sem fins lucrativos P-Bio, que recorre aos números para comprovar a afirmação. “Portugal, curiosamente, é dos países que mais patentes regista a nível europeu. Estamos com 446 registadas em dez anos”, detalha, citando o estudo de 2019 sobre o sector realizado pela P-Bio. Encontrar caminhos e soluções para impulsionar este espírito inovador em território nacional será um dos principais temas em debate durante o Biomeet 2022, que se realiza na próxima segunda e terça-feira, 19 e 20 de setembro, em Oeiras.

 

Embora não se trate de uma nova área de conhecimento, o crescimento da biotecnologia tem beneficiado de diferentes fatores, em particular o acelerado desenvolvimento da tecnologia e, mais recentemente, do impacto da pandemia. “Deu um grande salto com toda a tecnologia de RNA mensageiro, especialmente com a pandemia e as vacinas que foram lançadas no mercado”, contextualiza. Vale a pena recordar que uma das principais armas de prevenção de doença grave causada pelo SARS-COV2 resultou da investigação liderada pela BioNTech, sediada na Alemanha.

 

“Portugal é dos países que mais patentes regista a nível europeu”, afirma Filipe Assoreira

A nível nacional, esta é uma área que, de acordo com o estudo da P-Bio, mais do que triplicou o volume de negócios entre 2016 e 2020, apesar de ser, ainda, “um negócio muito pequeno”, mas que Filipe Assoreira diz ter “um potencial de escalabilidade enorme”. A especialização da força de trabalho é um dos principais contributos, a que se junta a “qualidade” dos centros de investigação. Falta, porém, resolver desafios na burocracia e na agilidade da legislação, aponta o responsável, bem como na atração de investimento, já que este é um mercado de “capital intensivo”.

 

Para Paulo Barradas, CEO do grupo Bluepharma, o território nacional tem “um sector da saúde interessante e que pode ajudar Portugal a recuperar a sua saúde e a economia”, ainda que, para isso, seja preciso “saber ler os sinais”. Esses sinais passam, por exemplo, pela crescente necessidade de a Europa se tornar autossuficiente e independente ao nível da produção de medicamentos, mas também por olhar para os vários instrumentos financeiros disponibilizados pela Comissão Europeia – como o Horizonte Europa – para alavancar o crescimento desta área. “Acho que o país tem boas estruturas na investigação, tem esse investimento que fez na qualificação das pessoas e nas zonas onde existe esse talento, esse talento atrai investimento”, acredita.

 

O Biomeet 2022 contará com a presença de líderes internacionais de empresas do sector, como John Crowley (Amicus Therap) ou Julien Patris (Alnylam Pharmaceuticals), bem como de decisores políticos nacionais. É o caso do presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, e do ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva.

 

446

foi o número de patentes registadas em Portugal na área da biotecnologia entre 2008 e 2017, um valor que coloca o país na linha da frente da inovação a nível europeu

BIOMEET 2022

O que é?

Organizado pela P-Bio com apoio da Câmara Municipal de Oeiras, o evento juntará cientistas, líderes empresariais e decisores políticos em torno da importância da biotecnologia para o desenvolvimento científico e económico português. Serão dois dias de intensos debates e troca de perspetivas, mas sobretudo de incentivo ao crescimento deste mercado. O Expresso associa-se à iniciativa através da moderação de uma mesa-redonda dedicada ao tema “O compromisso do sector biotecnológico português para inovação, saúde e crescimento”, que terá moderação da jornalista da SIC Notícias Nelma Serpa Pinto.

Quando, onde e a que horas?

O evento acontece na segunda e terça-feira, dias 19 e 20, no Templo da Poesia, em Oeiras. A mesa-redonda do Expresso será na segunda-feira, 19, a partir das 11h15.

O programa completo pode ser consultado AQUI

Quem são os oradores da mesa-redonda?

  • Paulo Barradas, CEO da Bluepharma;
  • Henrique Veiga Fernandes, investigador da Fundação Champalimaud;
  • Daniela Couto, partner da BioGeneration Ventures.

Porque é que este evento é importante?

Integrado na Semana Europeia da Biotecnologia, o encontro em Oeiras vai procurar dar resposta a alguns dos principais desafios do sector em Portugal – atração de investimento, enquadramento regulatório e impacto na economia nacional. O ponto alto do Biomeet 2022 será, porém, a apresentação e discussão do Biotech Social Pact, lançado em Boston, EUA, e que junta já perto de uma centena de líderes na biotecnologia a nível mundial.

Como posso ver?

Simples, clicando AQUI

Partilhar