NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Empresa de Guimarães tem na sustentabilidade e eficiência energética os seus vetores estratégicos de desenvolvimento.

Tendo escolhido os vetores da sustentabilidade e da eficiência energética como as grandes apostas estratégicas, a Jordão, um dos líderes europeus em equipamentos de refrigeração para supermercados e restauração, aproveitou a participação nas oficinas de inovação do Novo Rumo a Norte para desenvolver a "vitrina outdoor sunflower". Trata-se de uma solução 100% sustentável e sem custos energéticos associados, já que funciona a energia solar e tem incorporado um sistema de baterias com 12 horas de autonomia em caso de necessidade. O produto está em fase de divulgação e gerou "grande curiosidade", dada a conjuntura atual.

 

"Tradicionalmente, os produtos estão expostos no interior das lojas, mas a procura crescente pelo consumo em esplanadas, muito arrastado pela covid e que acabou por ficar, mostrou a necessidade de se trazer o ponto de venda junto dos clientes. O que nos levou ao desenvolvimento de uma vitrina refrigerada móvel, para uso no exterior, e com total autonomia energética. Funciona a custo zero, o que, numa altura em que os custos energéticos atingem valores estratosféricos, é muito interessante", explica Joana Jordão Lobo, diretora de investigação, desenvolvimento e inovação da empresa de Guimarães.

Além disso, desenvolveu um equipamento vertical para conservação de alimentos quentes, tendo em vista os negócios de take-away, que conta com quatro prateleiras, podendo cada uma delas ser regulada, individualmente, à temperatura necessária. Permite uma redução de 30% no consumo energético.

 

Com 200 trabalhadores, e tendo por clientes grandes marcas como 7"Eleven, BP, Costa Coffee, Delifrance, El Corte Inglès ou Starbucks, mas também Continente, Jerónimo Martins, Auchan, Intermarché ou Dia, a Jordão fechou 2021 com 18 milhões de faturação, 14% acima de 2019. Este ano, espera quebrar a barreira dos 20 milhões. Metade do que faz é destinado aos mercados internacionais.

Partilhar