NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Financiamento captado é garantido por fundos europeus, pelo Banco Europeu de Investimento e por um consórcio de sete bancos. Empresa prevê construir mais de meia centena de centrais.

AAquila Clean Energy anunciou esta quarta-feira que garantiu um financiamento de mil milhões de euros para o desenvolvimento de mais de 50 projetos de energia solar e eólica em Portugal e Espanha, até 2025.

 

Num comunicado enviado à redação, a plataforma de desenvolvimento de energias renováveis da Aquila Capital na Europa, revela que assegurou uma linha de financiamento, apoiada pelo europeu programa InvestEU, pelo Banco Europeu de Investimento (BEI) e por um sindicato bancário de sete instituições financeiras. O objetivo? "Assegurar o desenvolvimento e construção de projetos de energia renovável da Aquila Clean Energy em Portugal e Espanha durante os próximos três anos".

 

No caso de Portugal, os projetos serão desenvolvidos nas regiões de de Setúbal, Coimbra, Évora e Leiria. Quanto a Espanha, o investimento será canalizado para as regiões de Castela e Leão, Valência, Andaluzia, Cantábria, Castela-A-Mancha e Múrcia.

Em causa estão mais de 50 projetos em energia solar e eólica onshore, cujo potencial de produção de eletricidade ascende a 2,6 gigawatts (GW), "o equivalente ao consumo anual de cerca de 1,4 milhões de lares". Estes projetos terão um rendimento estimado de 5,3 terawatts-hora por ano.

 

Para concretizar os projetos de energias renováveis, a Aquila Clean Energy vai receber um crédito de 400 milhões de euros do BEI, suportado por uma garantia comercial de Bruxelas ao abrigo do programa comunitária InvestEU. Somam-se 600 milhões de euros de um consórcio de sete bancos: Santander, NatWest, KfW IPEX-Bank, BNP Paribas, ING, Intesa SanPaolo e Banco Sabadell.

 

Aos mil milhões assegurados, a Aquila Clean Energy espera obter mais mil milhões de euros, mas a partir de "de fundos geridos pela Aquila Capital e a partir do capital da empresa".

Partilhar