NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Iniciativa da Câmara Municipal do Barreiro, que conta com o apoio da Baía do Tejo e dos Territórios Criativos, e que tem a Portugal Ventures no leque de investidores, já está a incubar 27 startups inseridas nas áreas da cultura, criatividade e sustentabilidade.

Potenciar a economia local, dinamizar a região e elevar a fasquia do empreendedorismo barreirense são os objetivos primários da Startup Barreiro, a incubadora de negócios municipal que procura incentivar a criação e consolidação de empresas locais nas áreas da cultura, sustentabilidade e criatividade.

 

Fruto de uma parceria que junta a autarquia, a Baía do Tejo e os Territórios Criativos, a iniciativa já recebeu mais de 40 candidaturas desde o seu início, em 2021, e encontra-se, ao momento, a incubar 27 projetos, dos quais fazem parte 34 empreendedores, que "têm vindo a crescer e a desenvolver-se, dependendo da sua fase de maturação", avança o vice-presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Rui Braga, ao Dinheiro Vivo.

 

"Lá vem ela com histórias!", prestadora de serviços de consultoria e gestão de projetos editoriais, "Casa da Horta", quinta familiar pedagógica que disponibiliza espaço para eventos e tem uma mercearia online, "Sónia Trincheiras", empresa que ajuda organizações e pessoas através de formação e coaching, e "FairLink", projeto que propõe uma solução para evitar o desperdício alimentar, são algumas das startups que estão a ser aceleradas na incubadora do município.

 

Atualmente, a Startup Barreiro tem estabelecidas 20 parcerias, mas o objetivo é "efetuar novas, em diferentes áreas de atividade e negócio", afirma o responsável autárquico, salientando que o objetivo, daqui para a frente, é "dotar a incubadora de parceiros estratégicos que possam apoiar os empreendedores" através de mentoria e da disponibilização dos seus serviços a "um preço diferenciado do de mercado", sendo também expectável que ajudem as startups a aumentar a rede de contactos."Acreditamos verdadeiramente que crescemos todos juntos", remata.

 

No que toca a investidores envolvidos, salta à vista a presença da sociedade de capital de risco Portugal Ventures, à qual é esperado que se juntem outros fundos. "Temos efetuado diversas reuniões com parceiros-chave nesta área", sublinha Rui Braga.

 

Embora prefira não revelar as novidades reservadas para o futuro, o autarca diz existirem "muitas e boas" para os próximos tempos. Um dos objetivos já programados para breve passa por expandir a capacidade de coworking da Startup Portugal, dando a possibilidade de mais 30 empreendedores se juntarem ao programa.

 

A incubação

 

Ao dispor de todas as pessoas singulares e coletivas que apresentem ideias, projetos ou negócios inovadores, a incubação da Startup Barreiro prevê o acesso a serviços de mentoria e consultoria, bem como a uma rede de parceiros e formação personalizada. Este processo poderá dar-se de forma física, havendo uma capacidade máxima de 40 empreendedores em simultâneo - 31 em coworking -, e virtual, sem limite estabelecido.

 

Quanto à duração do programa, após aprovação da candidatura é assinado um contrato de um ano (com possibilidade de renovação por períodos iguais e sucessivos até três anos). No entanto, clarifica o autarca, "será sempre a maturidade e a evolução dos projetos que vão ditar o tempo que ficam connosco". Questionado pelo Dinheiro Vivo sobre o valor associado ao programa de incubação, o responsável optou por não avançar com uma resposta.

 

Os benefícios da incubadora vão "muito além" do retorno financeiro, com as empresas de sucesso a serem um ponto de atratividade para o município.

 

As candidaturas ao programa podem ser feitas na página de internet da incubadora do Barreiro e devem incluir "o máximo de informação sobre o projeto", não acarretando isso nenhum custo. Depois de uma primeira análise, "todos os candidatos são ouvidos" numa entrevista, observa Rui Braga. No momento de selecionar os projetos a integrar o portefólio da incubadora, a preferência é dada às ideias que se enquadram nas áreas de atuação da Startup Barreiro e a empresas que tenham sede social no município.

 

Novas instalações

 

Apesar de já existir desde o ano passado, a Startup Barreiro não dispunha de um espaço físico, atuando somente online. O cenário mudou, no passado mês de junho, com a autarquia a inaugurar as instalações da empresa, no Parque Empresarial da Baía do Tejo, que representaram um investimento de 1,2 milhões de euros.

 

O empreendimento, que serve de resposta para aqueles que querem alavancar os seus negócios, conta com salas de trabalho e de reuniões, auditório e espaços comuns para networking. Com a intenção de "dinamizar o tecido empresarial local e fomentar as relações" a incubadora abre também portas à comunidade, permitindo a empresas e organizações realizarem eventos ou workshops.

 

As instalações dispõem ainda da "Pop-up store: Fabricado no Barreiro", que dá a comerciantes, empresas e empreendedores a oportunidade de expor e colocar à venda numa loja física os seus produtos.

 

Para assegurar o retorno financeiro, a Câmara Municipal do Barreiro considerou "o montante das rendas que serão cobradas às startups que forem selecionadas e incubadas ao longo dos próximos 20 anos", esclarece Rui Braga. Contudo, prossegue o responsável, os benefícios deste projeto vão "muito além" do que se consiga recuperar: "os projetos, negócios ou empresas que tiverem sucesso vão movimentar a economia local, gerando riqueza, criando novos postos de trabalho, fazendo surgir novas áreas de negócio e, concludentemente, ajudando na promoção da cidade".

 

Estes são fatores de "atração para quem escolhe a cidade para viver ou trabalhar", conclui o autarca.

Partilhar