NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Estudo da Berkshire Hathaway HomeServices indica que há um crescente interesse em investir e viver em Portugal.

Portugal está a transformar-se num hub tecnológico e de startups “com grande relevância”. A conclusão é do European Summer Market Report da Berkshire Hathaway HomeServices (BHHS), empresa do multimilionário norte-americano Warren Buffett, que aponta o país como um destino cada vez mais atrativo para os investidores estrangeiros.

 

"O facto de as taxas de juro serem baixas, quando comparadas com outros países (situando-se atualmente nos 2,58%) e existirem várias iniciativas financeiras e possibilidades de obtenção de autorização de residência, têm contribuído para que o país se esteja a tornar-se um hub tecnológico e de startups com grande relevância", indica a empresa, em comunicado.

 

De acordo com o estudo, o crescente interesse em investir e viver em Portugal – e noutros países do sul da Europa – resulta também do facto de muitas pessoas estarem ainda em trabalho remoto, desde o início da pandemia. Além disso, e embora com algumas limitações em termos de stock de oferta imobiliária, Portugal reúne diversas vantagens que “tornam o país um investimento acertado”, segundo a imobiliária.

 

“O facto de estar em sexto lugar como um dos países mais seguros do mundo no ranking Global Peace Index 2022, aliado aos seus 300 dias de sol, por ano, são dois dos principais argumentos que atraem os investidores imobiliários para o país”, refere Michael Vincent, CEO da BHHS Portugal Property, citado no documento.

 

Joe Pyke, diretor geral do escritório da BHHS Portugal Property em Portugal, também reforça a atratividade que o mercado português tem registado. “Temos recebido clientes de toda a Europa e, em particular, do Reino Unido, já que o inglês é uma língua falada muito amplamente aqui”. “Também temos recebido muitos compradores dos EUA, especialmente da Costa Oeste – provavelmente por causa do clima favorável e do custo de vida mais acessível”, acrescenta.

Partilhar