NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O luso-venezuelano Germán Enrique Adrián Gerik, há mais de 30 anos a abastecer de morangos a cidade de Caracas, decidiu expandir o negócio familiar e avançar com um projeto inovador agrícola, centrado na produção e distribuição de mirtilos.

"A produção de mirtilos é ainda uma coisa nova não apenas na Venezuela, mas para o mundo, incluindo na Venezuela", considerou Gerik, em declarações à Lusa.

 

O agricultor explicou que "foi na Andaluzia, Espanha, que conseguiram o primeiro desenvolvimento importante de mirtilos e na América Latina, o Peru e Chile levam a batuta".

 

Germán Enrique Adrián Gerik, com familiares na Quinta Grande, Cabo Girão, Madeira, precisou que na Venezuela a produção de mirtilos era algo visto "como impossível", mas que a produção local está a arrancar com diferentes tecnologias e o apoio da Espanha e do Chile.

 

"Aprendemos a manejar a colheita e acredito que se vai transformar no principal cultivo da fazenda, que atualmente são os morangos", sublinhou.

 

Radicado em El Jarillo (70 quilómetros a sul de Caracas), este agricultor explicou que no passado a agricultura local era praticada em pequenas parcelas, até que os agricultores entenderam que a produção poderia ser gerida como uma empresa.

"Nos tornámos numa empresa familiar e começámos a moldar a gestão dos cultivos [de morango] que desenvolvíamos desde há 30 anos (...) compreendemos que não se tratava de (ter) novas tecnologias, mas sim de uma melhor gestão", explicou.

 

Por isso, instalaram estufas onde a produção "é muito mais eficiente", tornando-se "um negócio importante tanto a nível agrícola como familiar", que nos últimos anos sofreu os efeitos da situação económica, política e social da Venezuela.

"Temos atualmente um hectare em estufas, mas já tivemos dois. Estamos a recuperar a capacidade e o mais importante é que estamos a trabalhar com novas variedades [de morangos] que nos dão uma maior quantidade de quilogramas por planta do que em qualquer outra parte do mundo", explicou à Lusa.

 

Germán Gerik usa como referência a Espanha, "o maior produtor de morangos da Europa" onde a produção média de variedades como a "Camarosa" está entre 900 gramas e um quilograma por cada planta.

 

"Mas eles produzem apenas entre fevereiro e maio e nós [na Venezuela] não temos essa [limitação], podemos plantar em outubro, começar a colheita em fevereiro e a planta pode durar até um ano e meio a produzir morangos duas vezes por semana, porque temos um clima constante", sublinhou.

 

Segundo o luso-venezuelano nos últimos anos a produção de pimentões também se converteu num negócio importante, devido às condições climáticas na Venezuela, onde "na estação seca não há problemas" e na "estação chuvosa, as estufas mantêm um clima quente".

 

Por outro lado, explicou que abastece com morangos e mirtilos a Área Metropolitana de Caracas, Santo António de Los Altos e que no caso da capital a produção vai diretamente à rede de supermercados Excelsior Gama, propriedade de portugueses.

Sobre a localidade onde reside, El Jarillo, vivem aí "muitos agricultores portugueses, que se dedicam à produção de vegetais de folhas, cebolinho, couve-flor, brócolos, couves e acelgas".

 

Também que "do outro lado da montanha estão as zonas de Tibroncito, San Pedro de los Altos e Laguneta de Montaña, que estão cheias de portugueses".

 

Segundo Germán Enrique Gerik a agricultura na Venezuela "é uma oportunidade" pois "80% das terras venezuelanas são cultiváveis", mas apontou: "Falta uma política agrária que nos permita desenvolver-nos como uma potência agrícola na região (continente)".

 

"O tema petrolífero [produção de petróleo] não nos permitiu chegar a esse nível, apesar de a Venezuela ter as maiores reservas de água doce do mundo e terras tipo A", sublinhou.

 

Aos portugueses diz que é importante manter as raízes e o trabalho que a comunidade fez localmente desde a década de 1950. E insiste que os luso-descendentes sigam o exemplo dos pais e avós e aproveitem as oportunidades num país onde "tudo está ainda por fazer".

Partilhar