NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Startup alemã de biotecnologia pretende construir fábrica piloto de produção de proteínas em Lisboa e contratar mais de 10 pessoas em Portugal até ao final deste ano.

Astartup alemã de biotecnologia MicroHarvest recebeu 8,5 milhões de euros em série A de investimento. Com uma cofundadora portuguesa, a empresa de Hamburgo pretende abrir uma fábrica piloto em Lisboa em 2023 e ainda contratar mais de 10 pessoas em terreno nacional até ao final deste ano.

 

Liderada pela sociedade de capital de risco de impacto Astanor Ventures e pela Happiness Capital, a ronda de investimento também contou com a participação da sociedade de capital de risco portuguesa Faber e pela FoodLabs, que apostara anteriormente na tecnológica alemã.

 

“Na MicroHarvest estamos empenhados em criar um mundo onde todos tenham acesso a alimentos nutritivos através de um sistema justo e resiliente”, destaca a cofundadora e presidente executiva da startup, Katelijne Bekers.

 
Fundadores da MicroHarvest, da esquerda para a direita: Jonathan Roberz, Luísa Cruz e Katelijne Bekers.
 

Fundada em abril de 2021, a startup pretende “fornecer proteínas melhores, mais saudáveis e mais saborosas, produzidas de forma sustentável utilizando o poder dos microrganismos”. As proteínas poderão servir para a alimentação, com menor pegada ambiental, de animais e de humanos. A MicroHarvest aposta num negócio alternativo de alimentação avaliado em 14 mil milhões de dólares (13,97 milhões de euros).

 

Aposta em Portugal

Em 2022, a MicroHarvest passou a contar com mais dois cofundadores, Jonathan Roberz e a portuguesa Luísa Cruz. A pegada nacional na empresa e a injeção de capital levaram à abertura de uma filial em Portugal e vão permitir a construção de uma fábrica piloto em Lisboa, para acelerar a produção a um nível industrial. O principal objetivo é entrar no mercado em 2023.

Com uma equipa de mais de 10 pessoas na Alemanha, a MicroHarvest já tem vagas abertas para Portugal e pretende, “até ao final deste ano”, que a equipa baseada em Lisboa tenha mais pessoas do que a equipa de Hamburgo.

Partilhar