NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Este verão, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro apresenta novos reforços a bordo da SWISS International Airlines.

A companhia aérea, que integra o grupo Lufthansa, voa agora um total de 34 ligações semanais entre o Porto e as cidades suíças de Zurique e Genebra, mais 14 ligações do que em 2019. Aposta na Invicta significa um aumento de 70% das operações entre a Suíça e aquele que foi considerado o melhor aeroporto europeu de 2022. No geral, a Lufthansa cresce 40% a sua atividade de e a partir do Porto, com 2.200 lugares e 91 voos todos os dias.

 

Para a vereadora com o pelouro do Turismo e da Internacionalização, esta aposta “só demonstra que a nossa região e a nossa cidade se estão a posicionar cada vez melhor”. “Tem havido um bom trabalho de toda a gente. É um reconhecimento. Temos que estar satisfeitos com o que temos crescido face ao resto do país”, afirmou Catarina Santos Cunha, na sessão de apresentação dos novos voos da SWISS, na manhã desta segunda-feira, no Jardim Botânico.

 

A companhia aérea suíça tem agora mais 14 voos semanais a partir do Porto, dez para Zurique, e quatro com destino a Genebra, um total de 750 lugares, naquilo que o diretor-geral de vendas do grupo Lufthansa para Portugal garante ser “o maior aumento que a SWISS está a fazer na Europa Ocidental”. Entre as novidades está um voo matinal que sai do Aeroporto Francisco Sá Carneiro em direção a Zurique às 3 horas, quatro vezes por semana, além de um voo noturno, também quatro vezes por semana, entre o Porto e Genebra.

 

Thomas Ahlers destaca a segurança, o facto de pertencer à União Europeia, a hospitalidade e a estabilidade política como fatores de atração do Porto tanto para turistas como para viagens de negócios.

 

Olhando para quem quer visitar o Porto, mas também para quem sai da Invicta à procura de outros destinos mais distantes, o responsável do negócio no nosso país sublinha como, mesmo atravessando um crise pandémica e as atuais dificuldades de pessoal nos aeroportos, “não saímos e não estamos a planear sair do Porto”. “Olhamos para o Aeroporto do Porto como um parceiro estratégico”, acrescentou Thomas Ahlers.

 

Por enquanto, o incremento na oferta de voos é apenas para o período de verão, mas o diretor-geral da Lufthansa para Portugal admite manter “algumas das ligações”, encorajado pelo facto de “os lugares de e para o Porto estarem quase sempre cheios”.

 

Do Porto para a Suíça e o resto do mundo

 

Numa apresentação onde marcaram igualmente presença a diretora principal de vendas do grupo Lufthansa para a Europa Ocidental, Julia Hillenbrand, e a responsável da Suíça Turismo para Portugal, Leslie Bent, a vereadora do Turismo e Internacionalização afirmou que “o posicionamento que este tipo de companhia aérea nos dá é o que estamos a procurar estrategicamente atrair para o Porto, um turismo mais bem posicionado, e a preocupação também nos negócios, numa cidade que queremos para estudar, viver, visitar”.

 

“Estamos bem servidos em termos de destinos europeus, mas queremos ter esta ligação ao resto do mundo, que é relevante para nós”, acrescentou, referindo-se aos 92 destinos operados pela SWISS a partir dos aeroportos de Zurique e Genebra.

 

Catarina Santos Cunha lembrou ainda o trabalho que está a ser desenvolvido “com a CCDR-N, no sentido de encontrarmos uma forma de atrair outras companhias, de levarmos um documento ao ministro a apresentar algumas soluções já que não conseguimos ter as ligações asseguradas por parte da TAP”.

 

Lamentando que a companhia aérea portuguesa, “não invista no Aeroporto do Porto agora com tantos constrangimentos no Aeroporto de Lisboa, mas é a estratégia deles”, a vereadora assegura que o diálogo tem sido feito apenas “com estas companhias que se têm aproximado de nós”.

 

Emirates volta ao Porto

 

Entretanto, outra gigante do transporte aéreo adianta que estará de regresso ao Porto. De forma a ampliar a estratégia em Portugal, a Emirates assegura que, em 2024, vai voltar a operar as quatro frequências semanais que tinha entre a Invicta e o Dubai antes da pandemia.

 

"O Porto não está esquecido para a Emirates, foi um lançamento feito com muito carinho e correu bastante bem. Foi pena depois termos tido aquele travão da pandemia e a rota não chegou a completar o seu primeiro aniversário", refere David Quito, diretor-geral da transportadora em Portugal, citado pelo Dinheiro Vivo.

 

Garantindo que “voltar ao Porto é algo que está nos nossos planos”, o responsável pela operadora dos Emirados Árabes Unidos não descarta a possibilidade de antecipar o regresso para 2023, caso a procura para a Jornada Mundial da Juventude o justifique.

Partilhar