NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A JLL, consultora de serviços profissionais especializada em imobiliário e gestão de investimento, afirmou que «2022 está a revelar-se um ano ímpar para o mercado de escritórios», pelo que prevê que, se o ritmo se mantiver, este será o melhor ano de sempre do sector em Portugal.

A consultora revela que em termos acumulados, a primeira metade do ano encerra com nota positiva tanto em Lisboa como no Porto. Na capital, o take-up deste período ascende já a 168.000 m2, superando as absorções anuais quer de 2020 quer de 2021 e estando a mais de 85% da actividade anual de 2019.

 

Nestes seis meses, o mercado de Lisboa contabilizou 104 operações com uma área média de 1.615 m2, sendo o Parque das Nações a zona mais procurada (30% da absorção), embora seguida de perto pela Nova Zona de Escritórios (24% do take-up). Em termos de procura, foram as empresas de “Serviços Financeiros” as líderes, com 47% do take-up.

 

No Porto, a actividade semestral ascende a 30.000 m2, num total de 35 operações com uma área média de 865 m2. Neste caso, tal actividade apresenta um forte crescimento face aos níveis do primeiro semestre de qualquer um dos últimos 3 anos.

 

Em particular comparativamente com o mesmo período de 2021, o crescimento foi de mais de 100%. O Central Business District (CBD) – Baixa atraiu o maior volume de ocupação (38%), sendo as empresas de “TMT’s & Utilities” as mais dinâmicas a ocupar escritórios no Porto nestes seis meses (50%).

 

Sofia Tavares, head of Office Leasing da JLL, explica que «apesar da conjuntura económica mais desafiante, as empresas estão a regressar em força aos escritórios e a procura de áreas grandes continua a ser um dos principais requisitos. No mês de Junho voltámos a ver isso, com as áreas superiores a 1000 m2 a concentrarem um terço das operações em Lisboa e metade no Porto. Da nossa parte, temos estado especialmente activos neste tipo de colocação e em Junho actuámos na maioria dos negócios com áreas grandes, incluindo a maior do mês, que superou os 7000 m2. Acreditamos que este tipo de procura vai continuar a dinamizar bastante o mercado e a gerar muitos pré-arrendamentos».

 

De acordo com o Office Flashpoint da JLL, o mercado de escritórios continua a exibir um desempenho assinalável, totalizando 21.000 m2 de absorção em Lisboa e 6.800 m2 no Porto no mês de junho.

Partilhar