NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Espaço dedicado à aceleração de negócios da indústria de food tech fica em Lisboa e já conta com empresas em lista de espera. Investidores querem triplicar a capacidade.

Juntar um algoritmo que otimiza vendas de restaurantes a uma plataforma de delivery pode fazer sentido quando se trata de agregar valor à indústria de food tech. Veja-se o que pensaram as portuguesas Pleez e Volup quando, há cerca de quatro meses, decidiram criar o primeiro hub de talento nacional para startups dedicadas ao setor da restauração. Com a promessa de impulsionar negócios através da partilha de conhecimento e experiências, o Food Tech Hub já captou o interesse de várias empresas, contando atualmente com uma lista de espera.

 

É na Avenida da Liberdade, em Lisboa, onde startups com "uma ambição de crescimento agressiva, que já tenham fechado, pelo menos, uma ronda de investimento" podem encontrar este espaço de criação e inovação, precisa Afonso Pinheiro, cofundador da Pleez, ao Dinheiro Vivo. Aqui, os empreendedores têm à sua disposição um escritório e uma zona de conhecimento partilhado, onde é promovida "a partilha de ideias e o desenvolvimento de uma comunidade de inovação".

 

As portas estão abertas a potenciais investidores, novos talentos e diferentes formatos, tendo como regra única "não se poder roubar talento". Isto significa que, "quando uma pessoa está a trabalhar numa das empresas, não pode ser abordada por outra para mudar de emprego, a não ser que [a iniciativa] parta do próprio profissional".

 

O setor das tecnologias da restauração tem, segundo o responsável, "várias particularidades que se encontram ainda a ser exploradas". Trata-se de um "mercado vasto, fragmentado e de diferente penetração", onde existem "poucas margens" e a "aquisição de clientes ainda depende de salesman". É ainda uma indústria com "investidores muito específicos", remata. "Crescer de mãos dadas" neste ramo - e dar aos seus pares a mesma oportunidade - foi o que levou a Pleez e a Volup, de Álvaro Meyer, a irem para a frente com o projeto.

 

"Pretendemos que esta seja a primeira escolha no que toca a um local ideal para aqueles que procuram fazer networking, conhecer e desenvolver parcerias com agentes da área de food e tecnologia, que tenham ideias semelhantes e que procurem um ambiente para estimular colaborações entre empresas, investidores e empreendedores", refere o também CEO da Pleez. No decorrer deste ano, o debate de desafios será estendido a eventos que contarão com a presença de vários oradores.

Aberto a potenciais investidores, novos talentos e diferentes formatos, o Food Tech Hub tem como regra única "não se poder roubar talento".

 

Ainda que o usufruto do espaço não seja gratuito, o valor associado aparenta não ser um entrave aos muitos que já demonstraram vontade de integrar o Food Tech Hub. O número de candidaturas aceites está dependente da capacidade de acolhimento que, ao momento, é de 50 lugares sentados. Contudo, as empresas revelam já ter recebido investidores que querem, em conjunto, "criar um espaço de até 200 lugares para startups investidas".

 

Embora opte por não avançar com valores e mencionar nomes, o diretor executivo adianta que o novo negócio envolveu investimento externo. Já quanto a parcerias, ainda nenhuma foi estabelecida: "Iremos fazê-las de forma orgânica", dá conta Afonso Pinheiro, assegurando que, por agora, "o foco está nas empresas" do hub.

 

Objetivo há muito traçado

Abrir um hub de talento já era um objetivo há muito traçado pela Pleez. No entanto, os planos para o futuro da empresa ditavam ainda a expansão do algoritmo a outros mercados e o aumento da sua equipa.

Nos últimos três meses, a startup conseguiu cumprir as metas, tendo consolidado a sua presença em Lisboa e expandido para o Brasil, Dubai e Espanha, onde abriu um novo escritório, em Madrid. O número de colaboradores também subiu para 28, e a revenue growth foi ultrapassada em 30 vezes.

Partilhar