NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Grupo vitivinícola EnoportWines investe 2,5 milhões de euros em Amarante.

O grupo EnoportWines, detentor de várias marcas de vinhos, vai investir 2,5 milhões de euros em Amarante, inicialmente na modernização de equipamentos e na reestruturação de vinhas e, a três anos, na área do enoturismo.

 

Segundo avançou à agência Lusa fonte do grupo, "estão na calha vários projetos que se vão traduzir, numa primeira fase, na modernização de equipamentos já existentes e na restruturação de vinhas", sendo que "o maior investimento será realizado a três anos, na área do enoturismo".

 

A concluir já neste mês de setembro, a primeira fase do investimento global prevê a ampliação e modernização da adega de vinificação das Caves Moura Basto, com a aquisição de "equipamentos de alta tecnologia com vista à produção de vinhos verdes de grande qualidade". Esta fase envolve um investimento de 750 mil euros.

 

A segunda fase, que "arranca ainda durante este ano e estará concluída em 2024", prevê a reestruturação de 15 hectares de vinha da Quinta de Amarante, inserida na Região Demarcada dos Vinhos Verdes.

 

Segundo a fonte, a reestruturação será feita ao longo de três anos (cinco hectares por ano), sendo plantadas as castas Loureiro e Alvarinho, num investimento de 250 mil euros.

 

Com um valor "mais ambicioso", na ordem dos 1,5 milhões de euros, a terceira fase do investimento será na área do enoturismo.

 

O projeto, a três anos, prevê a recuperação de um solar antigo situado na Quinta de Amarante, assim como a recuperação da infraestrutura já existente para apoio ao enoturismo, ficando a quinta preparada para o alojamento de visitantes e a realização de um conjunto de atividades ligadas ao mundo do vinho, em concreto ao vinho verde.

 

Em declarações à Lusa, a diretora geral da EnoportWines insere estes projetos na "estratégia de crescimento do grupo EnoportWines", salientando tratar-se de "um investimento muito relevante numa das regiões mais importantes no que diz respeito à produção de vinhos".

 

"Ao conciliarmos a produção com o desenvolvimento da área do enoturismo, estamos a validar a diversificação de negócios dentro da empresa e a criar valor para o futuro", considera Paula Faria.

 

O grupo EnoportWines resultou da união de várias empresas de vinho portuguesas de cariz familiar. Está atualmente presente em 40 mercados, destacando-o "forte crescimento" registado nos mercados externos durante a última década, nomeadamente em países como os EUA, Canadá, Brasil, Angola, China, Alemanha, Reino Unido e França.

Partilhar