NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O Indicador de Clima Económico (ICE) moçambicano, que mede a confiança dos empresários, "registou uma queda ligeira no primeiro trimestre de 2021, após sinais de recuperação no trimestre anterior", anunciou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O saldo do ICE no primeiro trimestre de 2021 fixou-se "abaixo da média", lê-se no último boletim sobre Indicadores de Confiança e Clima Económico, consultado hoje pela Lusa e que reflete ainda o impacto da covid-19 na economia moçambicana.

 

O ICE fixou-se em 86,7 pontos no primeiro trimestre de 2021, face a 86,9 no primeiro trimestre de 2020 e a um valor médio de 100.

 

"Em termos setoriais, a conjuntura desfavorável da economia no período em análise deveu-se à apreciação negativa do indicador nos setores de alojamento, restauração e similares, de transportes e da produção industrial, suplantando assim os setores da construção, do comércio, bem como de outros serviços não financeiros que registaram uma avaliação positiva no mesmo período em análise", lê-se no boletim.

 

O ICE faz parte do boletim de indicadores de Confiança e de Clima Económico uma publicação mensal sobre a conjuntura de Moçambique, compilada com base num inquérito realizado também todos os meses pelo INE às empresas do setor não financeiro.

 

"O estudo expressa a opinião de agentes económicos acerca da evolução e perspetiva da sua atividade, particularmente sobre emprego, procura, encomendas, preços, produção, vendas e limitações de atividade", explica a autoridade estatística moçambicana.

 

Moçambique tem um total acumulado de 815 óbitos e 70.000 casos de covid-19, dos quais 38 internados e 96% recuperados.

Partilhar