NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A start-up que criou o PaperVault assinou um acordo com a Microsoft para criar em Portugal, em local ainda a definir, um laboratório de inovação de retalho partilhado, que dará origem “a cerca de 40 postos de trabalho altamente especializados”.

A trabalhar em produtos inteligentes para o retalho desde 2012, a XnFinity ficou conhecida em Portugal por ter criado o PaperVault, uma plataforma que transforma faturas e recibos em informação digital.

 

Ainda "em fase de investimento", com uma equipa de meia dúzia de pessoas e uma faturação de 110 mil euros no ano passado, o fundador da XnFinity revela agora ao Negócios que assinou um acordo de colaboração com a Microsoft para montar um laboratório de inovação de retalho partilhado em Portugal.

 

"Como sempre tivemos muita experiência em AI [Inteligência artificial] e um relacionamento próximo com a Microsoft, isso permitiu, ao longo dos últimos anos, ganhar bastante credibilidade junto da Microsoft, o que deu agora origem a este laboratório", conta Orlando Ribas Fernandes.

 

Apesar de a XnFinity estar sediada em Viana do Castelo, o CEO da empresa portuguesa garante que a decisão sobre a localização deste laboratório "ainda não está fechada", mas adianta que a sua criação "irá dar origem a cerca de 40 novos postos de trabalho altamente especializados (com doutoramento ou mestrado em AI ou semelhante)".

 

Numa nota enviada ao Negócios, Orlando Ribas Fernandes sublinha que o laboratório "é um lugar aonde os retalhistas podem ter acesso exclusivo a criadores de inovação", o que, defende, permitiria reduzir os riscos de investimento para a indústria de retalho, quer online quer offline.

 

"Vendo as tendências, necessidades e lacunas, começámos a trabalhar com a Microsoft para lançar um laboratório inovador para o retalho, onde os custos e riscos poderiam ser partilhados por diferentes retalhistas", conta o CEO da XnFinity.

 

Este laboratório, que "já possui um portfólio de soluções, como análise de sentimento do cliente, análises através de ‘machine learning’ e ‘deeplearning’", incluirá também "tecnologias de outras start-ups que permitirão ao laboratório ter uma visão completa e única do retalho do futuro".

 

Orlando Ribas Fernandes adianta que o laboratório "também terá uma loja real - com clientes e compras reais - onde todas as inovações (e start-ups) do laboratório serão testadas e validadas" antes de serem oferecidas aos retalhistas.

 

"Os retalhistas que pertencerem ao nosso ecossistema terão acesso exclusivo à nossa tecnologia inovadora, acesso à nossa equipa de inovação, PoC (provas de conceito) e até mesmo ao código fonte - sem custos adicionais. O laboratório irá funcionar como o seu próprio departamento de inovação", afirma.

 

 "Vamos direcionar métricas que validam a diferença do uso de tecnologias disruptivas. Todas as empresas devem ter acesso à inovação, e nós iremos fornece-lhes isso, partilhando os custos e os riscos, democratizando a inovação da IA no retalho", sintetiza o CEO da XnFinity.

 

"Temos o prazer de ajudar os retalhistas a encontrar start-ups inovadoras para fazer parceria. O serviço oferecido pelo XnFinity economizará tempo e dinheiro, ao mesmo tempo em que dará aos empreendedores uma arena para testar os seus produtos em situações reais e obter resultados significativos", garante Paul Maher, "general manager" da "Industry Experiences" da Microsoft.

Partilhar