NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Empresa da Estónia já tem uma centena de pessoas a trabalhar nos escritórios da capital portuguesa. Mas a ambição não se fica por aqui.

A Pipedrive, empresa que tem um software para a área de vendas de PME, tem um escritório em Lisboa há dois anos, onde trabalham cerca de uma centena de pessoas. Mas a ambição da startup da Estónia não se fica por aqui: sonha em duplicar a equipa na capital portuguesa.

 

“Escolhemos Lisboa porque acreditamos que é um bom local para encontrar talento que nos permita crescer”, disse ao Dinheiro Vivo Vinay Ramani, líder para área de produto da Pipedrive (Chief Product Officer).

 

Temos “100 pessoas e o espaço já está completamente ocupado. Estamos à procura de mais espaço. Não conseguimos prever o futuro mas ficaríamos bastante felizes se conseguíssemos duplicar a nossa base de empregados em Lisboa nos próximos 12 a 18 meses”.

 

No escritório de Lisboa é tratado de todo o processo de angariação de empresas/vendedores que se tornem clientes até à subscrição do software da Pipedrive. Questionado sobre se é difícil recrutar em Portugal, o responsável notou que a política da empresa passa por falar “com muitas pessoas antes de fazermos a alguém uma proposta e acho que falamos com muito mais pessoas em Lisboa do que em Talin”, acrescentando que “estamos à procura dos melhores, que trabalhem apaixonadamente pela tecnologia e isso demora algum tempo”.

 

Vinay Ramani, que anteriormente trabalhou para empresas como a Uber e a Google, não esconde que a solução da Pipedrive – um software as a service (SaaS) – tem ainda margem para crescer. E a empresa? Considerada pelo Financial Times (FT) como uma das 100 companhias na Europa com um crescimento mais rápido, o líder de produto da startup da Estónia assegura que estão empenhados em crescer e, ser através desse crescimento, apoiar uma subida da avaliação da empresa.

 

“A nossa avaliação está ligada a duas coisas muito simples: em primeiro lugar, à nossa crença em gerar receita – e continuar a crescer -, e em segundo a real curva de crescimento, se está a acelerar ou a abrandar”.

Partilhar