NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

Antonoaldo Neves, CEO da TAP, afirmou que “entre 65% e 75%” das vendas para as três novas rotas da companhia aérea para São Francisco, Chicago e Washington são feitas nos Estados Unidos.

“Ou seja, a demanda vem do mercado americano”, disse Antonoaldo Neves, que falava aos jornalistas na segunda-feira, antes da partida do voo inaugural da TAP para São Francisco.

 

O CEO da TAP salientou que “havia 28 frequências semanais para os EUA e neste ano se chegou a 56”.

 

“Estamos a dobrar o número de voos, sendo que dantes menos de 60% das vendas eram feitas nos EUA e agora mais de 75% são nos EUA”, acrescentou Antonoaldo Neves.

 

O executivo voltou a avançar ainda a previsão de transportar mais entre 800 mil e um milhão de passageiros este ano, como já tinha avançado em finais de Maio (clique para ler: TAP prevê transportar mais 800 mil a um milhão de passageiros este ano).

 

A TAP transportou 15,8 milhões de passageiros em 2018, mais 1,5 milhões de passageiros ou mais 10,4% que no ano anterior.

 

Nos primeiros cinco meses deste ano, a TAP estava com um aumento de 200 mil passageiros face ao período homólo do ano passado, disse Antonoaldo Neves.

 

Quanto aos resultados para este ano, depois de prejuízos de 118 milhões de euros em 2018, Antonoaldo Neves explicou que “a definição de sucesso é a TAP fazer as coisas de forma sustentável”.

 

Questionado sobre se 2019 é um ano de regresso aos lucros, o presidente executivo da TAP disse que “não há nenhuma razão para que os resultados não sejam muitos melhores”, mas preferiu “não especular” sobre o desempenho da TAP nesta área.

 

Antonoaldo Neves referiu ainda que a companhia aérea vê com bons olhos a descida do preço do petróleo e que já está “a preparar a protecção” dos preços para 2020.

 

Aliás, para o ano, a empresa já tem 20% do combustível protegido “a um preço extremamente competitivo”.

 

Antonoaldo Neves foi ainda questionado sobre o diferendo entre a Comissão Executiva da companhia aérea e o Estado, devido ao pagamento de 1,171 milhões de euros em prémios a 180 quadros da empresa.

 

“Esse assunto está resolvido”, disse apenas, recusando fazer mais comentários.

Partilhar