NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

A taxa de ocupação dos hotéis nacionais desceu 1,2 pontos percentuais (p.p.) em março e caiu 1,7 p.p. no trimestre, uma performance que a Associação de Hotelaria de Portugal (AHP) diz ser "ligeiramente aquém do esperado".

Em comunicado, a entidade revelou que, "no primeiro trimestre do ano, a taxa de ocupação foi de 53%, menos 1,7 p.p. face a igual período do ano anterior. Os destinos turísticos que registaram a maior taxa de ocupação foram Madeira (70%), Lisboa (69%) e Grande Porto (56%)".

 

Já o ARR (preço médio por quarto ocupado) foi de 74 euros, "mais 2% do que em 2018. Neste indicador, há assinalar uma quebra de 2% na categoria 5 estrelas. Estoril (mais 9%), Oeste e Minho (mais 8%) foram os destinos que mais cresceram em variação", segundo a AHP.

 

Outro dos indicadores que mede a performance dos empreendimentos hoteleiros, o RevPar (preço médio por quarto disponível), caiu 1% nos primeiros três meses deste ano, atingindo os 39 euros.

 

Segundo a AHP, "Lisboa (64 euros) e Madeira (50 euros) mantiveram os resultados absolutos alcançados neste indicador no ano anterior, enquanto Minho (mais 12%), Estoril (mais 10%) e Leiria/Fátima/Templários (mais 6%) registaram a maior variação nos primeiros três meses de 2019".

 

No mês de março, a taxa de ocupação foi de 63%, uma queda de 1,4 p.p., com uma variação nos estabelecimentos de 4 e 2 estrelas.

 

Os hotéis de 4 estrelas, aliás, "registaram uma quebra de 2 p.p., face a igual período do ano anterior. Os destinos turísticos com a taxa de ocupação mais elevada foram Lisboa (82%), Madeira (78%) e Grande Porto (67%)", assinala a AHP.

 

No mesmo período, o ARR aumentou 1%, para 77 euros, com destaque para os destinos Minho (mais 16%), Oeste (mais 11%) e Aveiro (mais 8%), segundo a mesma nota.

 

O RevPar em março foi de 49 euros, "menos 1% face ao período homólogo. Os destinos turísticos com o RevPar mais elevado foram Lisboa (82 euros), Madeira (58 euros) e Grande Porto (51 euros)", revelou a entidade.

 

"Os resultados deste mês de março ficaram ligeiramente aquém do esperado na hotelaria nacional, sobretudo por estarmos no mês do Carnaval e em que se registaram temperaturas acima do habitual para a época", afirmou a presidente executiva da AHP, Cristina Siza Vieira, citada no mesmo comunicado.

 

A responsável realçou ainda que "na Madeira a falência da Germania Airlines, em fevereiro deste ano, teve impacto direto na operação hoteleira, sobretudo durante o período do Carnaval".

 

"O desaparecimento desta companhia aérea faz com que a região perca sete voos semanais vindos de um mercado tão importante para o destino, como é o alemão", concluiu.

Partilhar