NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O boletim económico divulgado esta quarta-feira pelo Banco de Portugal prevê que a redução demográfica se traduza também numa diminuição da percentagem de indivíduos vinculados ao mercado de trabalho, o que vai interferir no crescimento da economia nacional.

O Banco de Portugal estima que a população total portuguesa deverá baixar da fasquia dos 10 milhões de habitantes entre 2040 e 2070. O boletim económico divulgado esta quarta-feira pelo banco central prevê que a redução demográfica se traduza também numa diminuição da percentagem de indivíduos vinculados ao mercado de trabalho, o que irá interferir no crescimento da economia.

 

O boletim económico do Banco de Portugal cita as últimas projeções demográficas elaboradas pelo Eurostat, organismo responsável pelas estatísticas da União Europeia (UE), que estima que a população residente na UE continue a crescer nas próximas duas décadas, “ainda que de forma moderada”. No entanto, a tendência deve inverter-se nas três décadas seguintes.

 

Portugal não é exceção, nas previsões do Eurostat, e a redução demográfica será “particularmente marcada na população em idade ativa”.

 

O Banco de Portugal estima que, no longo prazo, a população ativa (dos 15 aos 64 anos) registará uma diminuição “muito acentuada”. No conjunto dos Estados-membros da UE, prevê-se que, entre 2018 e 2040, a população total aumente 3%, enquanto, em Portugal, a população deve recuar 7%. Já para o período de 2040 a 2070, é estimado que a população europeia recue 7%, enquanto em Portugal a queda possa chegar aos 16%.

 

A confirmar-se a tendência apontada pelo Banco de Portugal, a população portuguesa, que nos últimos censos (de 2011) se fixava em 10,56 milhões de habitantes, deve recuar para menos de 10 milhões, entre 2040 a 2070. Esta é a primeira vez desde a viragem de século que a população total portuguesa ficará abaixo da fasquia dos 10 milhões. A última vez que aconteceu foi nos censos de 1991.

 

Apesar da diminuição da população ativa muito acentuada em Portugal, haverá uma trajetória de aumento da taxa de atividade acima da média da UE nas próximas duas décadas.

 

“O aumento projetado para a taxa de atividade em Portugal resulta, no essencial, da convergência da taxa de atividade das mulheres para a dos homens durante as próximas duas décadas, sendo que no caso dos homens as projeções apontam para uma relativa estabilização ao longo de todo o horizonte”, indica o relatório, notando que essa convergência será “mais acentuada no escalão acima dos 55 anos”.

Partilhar