NewDetail

AICEP
Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal

CABEÇALHO

O diretor do departamento africano da agência de notação financeira Fitch diz que instituições como o Banco Africano de Desenvolvimento também prestam outros apoios.

O diretor do departamento africano da agência de notação financeira Fitch disse esta segunda-feira que a importância do apoio das instituições financeiras multilaterais, como o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), vai muito além do valor que emprestam.

 

“Olhando apenas para os números, há uma tendência para subestimar a importância destas instituições, que dão uma preciosa ajuda que vai para além do financiamento, porque dão apoio técnico, apoio à gestão orçamental e ao desenho das reformas”, disse Jan Friederich.

 

Em entrevista à Lusa a propósito dos Encontros Anuais do Banco Africano de Desenvolvimento, que se prolongam até sexta-feira em Malabo, a capital da Guiné Equatorial, Jan Friederich alertou que não se deve “olhar apenas para os números dos empréstimos para atestar a importância destes organismos com o BAD”, acrescentando que a importância da ajuda “é muito maior que financiamento, é também dar aconselhamento político e apoio às políticas”.

 

Olhando para os últimos anos, o analista desta agência de notação financeira considera que “as instituições financeiras multilaterais têm-se tornado mais importantes para os países africanos nos últimos anos”, devido às dificuldades financeiras em que países como Angola ou Moçambique incorreram, ainda que por diferentes razões.

 

“Antes, quando o preço do petróleo estava em alta, os empréstimos multilaterais não eram tão significativos, mas agora são uma importante fonte de financiamento”, notou.

 

“O programa de Angola com o Fundo Monetário Internacional reabriu o acesso a financiamento e a ajuda ao orçamento das instituições financeiras multilaterais, incluindo o BAD, que é uma importante fonte de financiamento, mas não é a única”, apontou o analista na entrevista à Lusa.

 

“Muitos governos africanos basearam-se mais nos últimos anos em mercados privados, incluindo emissão de ‘eurobonds’ [emissões de títulos de dívida em moeda estrangeira], e houve também uma crescente importância da China, isso é muito importante, particularmente em Angola”, concluiu Jan Friederich.

Partilhar